Postado em: 26-06-2015

Saudosismo: No tempo da serenata

    Naqueles anos de 1970 a moda mandava vestir calça justa boca de sino, camisa de malha colada no tórax, cabelos longos, capanga e cordão no pescoço ou pulseira no braço, ao lado do robusto relógio seiko. No Recife, onde eu estudava, as festas ocorriam em clubes, casas ou boates ao som de rock e luz negra, como na badalada Ferro Velho. Serenatas estavam em desuso na Veneza brasileira – mas não em Sousa. Nosso roteiro da serenata em terras sousenses era quase invariável: as casas de Zé de Tosinho (Socorro), Mário Fernandes (Sônia), Valdemar da Brasília (Margarete) e Gilberto Nabor (Alessandra). Certo dia chegamos do Recife, pela Gaivota, por volta de meia noite e desembarcamos direto no Bar de Zé Mendes. Meu companheiro de viagem era Zé do Ó. Nós nos juntamos a Miltinho, Tico Sá e Jânio Braga para cumprir o périplo romântico e declarar nossa paixão pelas meninas. Depois de descermos pela garganta generosos copos de cerveja e doses de conhaque, metemos a radiola debaixo do braço e seguimos pelas ruas escuras da cidade, que já dormia e onde tudo era silêncio. Pusemos os discos (long play e compacto) para rodar com músicas que incluíam The Fevers, Renato e Seus Blue Caps, Roberto Carlos e Moacir Franco. Já perto do galo cantar, chegamos à última casa – a de Valdemar da Brasília. Era lá que estava Margarete, a ser homenageada pelo apaixonado Zé do Ó. O que nós não prevíamos era que o dono da casa acordasse tão cedo, umas quatro horas da manhã. Estávamos todos já rolados no terraço ainda escuro, com aquele sono profundo dos bêbados, radiola desligada, quando Valdemar, que era bem míope, abre a porta e dá um pisão na cabeça do pretenso genro. Bem, vocês já devem imaginar o que aconteceu. Zé do Ó deu um pulo tão forte que o ex-futuro sogro foi arremessado contra a parede e veio cair de volta justamente em cima da radiola, quebrando também os discos e seus próprios óculos, que eram aqueles chamados de fundo de garrafa. Foi nesse dia que o enamorado bebum seresteiro perdeu a namorada, o sogro e a radiola. Considerando que os bêbados dormem tarde e os “sogros” acordam cedo, a partir daquele dia passamos a limitar o horário das serenatas sousenses para as duas da manhã. Nota 1: num primeiro momento, Valdemar pensou que era um assalto. Nota 2: dos cinco apaixonados, apenas Tico Sá e Alessandra se casaram.

Publicidade